Chamar-te-ão reparador de brechas


Chamar-te-ão reparador de brechas

Isaías 58

Quero convidá-los a ler este pequeno capítulo de Isaías 58 antes de meditar juntamente comigo em alguns de seus versos.

A propósito de meditar, gostaria de dizer-lhes que para fazê-lo é necessário que se entenda ao menos o que diz o texto no sentido natural, conhecendo o significado das palavras e procurando descobrir o porquê de determinados costumes, ou procedimentos que para  nós , na nossa cultura, talvez não faça sentido, mas na cultura daqueles povos aos quais a Bíblia se refere faz todo o sentido.

Muitos querem meditar, mas não querem procurar o significado de uma palavra diferente do que estamos acostumados a ouvir, ou pesquisar a razão de algum acontecimento, por isto temos muitos irmãos que lêem a Bíblia por pouco tempo e depois frustrados por nada entenderem, desistem de se alimentar de Cristo.

Meditar requer um ‘buscar’,  depois que entendemos a história, aí o Senhor se encarrega de nos revelar o sentido espiritual de cada  passagem bíblica.

As vezes ouvimos: ” irmão você tem que meditar na palavra, você tem que buscar ao Senhor “. Aí você pergunta: ” mas como se faz isto? “. Agora você já sabe como fazê-lo. Conversar e compartilhar com os irmãos que já praticam o meditar da palavra também ajuda muito. Experimente você também.

Vamos meditar?

Este capítulo começa falando de um povo que tem prazer em procurar a Deus, tendo o cuidado de fazer conforme os cuidados do Senhor, apesar disto , percebiam que por muitas vezes não eram atendidos pelo Senhor ( vs 2 e 3  ), e apartir do verso 4 o Senhor começa  a revelar o que havia no interior do coração e o que motivava  cada um deles a servir o Senhor, reparem o texto do verso 4 :

” Para contenda e debates jejuais, e para ferirdes com punho iníquo…”

Os motivos que os levavam a jejuar eram puramente para se degladiarem em debates, se acusarem mutuamente, desfazendo assim o propósito do Senhor em ser o alvo da adoração.

O jejum ao Senhor deve ser um momento exclusivo de adoração a Deus, onde nada pode ser ocasião para distração. O fato de não comer durante o período do jejum, não é o ponto alto do jejum, privar o corpo de alimentação não é onde mora o prazer de Deus em nos ver em jejum. Precisamos entender que, a privação de alimentação, serve tão somente para não permitir ao corpo o distrair da nossa atenção de Deus.

Muitos fazem do jejum um culto a carne, ou melhor dizendo, um anti-culto a carne, onde o ponto alto é alcançar tantas horas ou dias sem comer, nesses casos, passam grande parte dessas horas dormindo, quando isto para Deus não tem o menor valor, pois Deus não foi o único ponto de adoração daquele período de abstinência alimentar. Não comer, não traz poder, nem purifica, nem santifica, junto a isto deve-se ter exclusiva adoração a Deus. Abstinência alimentar é o que muitos fazem dizendo que jejuaram , que buscaram poder, que jejuaram por esta ou aquela causa  a fim de receber vitória nessas questões.

 Se ficar sem comer nos trouxesse bençãos,  então todos que fossem pobres, desfavorecidos, sem condição de proporcionar alimentação para sí e sua família, iam ser  os mais abençoados, ricos, cheios de poder,  e mais  felizes de toda face do planeta. Se ficar dormindo durante o tempo do jejum, também trouxesse vitória, todos os desocupados do país também seriam uma benção. O que digo, é que não reside aí, no não comer ou no matar o tempo dormindo para não sentir a fome, que Deus tem prazer em ver seu povo jejuando.

Entenda o que digo: não estou desfazendo do jejum, estou dizendo que o jejum só terá valor, se além de abster-se da comida, também houver exclusiva adoração a Deus. Não se ponha a pedir isto ou aquilo durante o período do jejum. Esse período serve apenas para você se encher do Espírito de Deus, usando unicamente de adoração a Deus, e quando você estiver diante das necessidades pelas quais te motivaram a buscar a Deus através de jejum, o Espírito do Senhor se manifestará por você em graça, lhe trazendo a vitória de que tanto necessita.

 Ainda que você conheça alguém que durante este período destinado ao jejum passe orando e clamando ao Senhor, para que Deus lhe dê isto ou aquilo , mesmo assim, essa pessoa ocupou o período do jejum de forma errônea.

 Alguém vai lembrar de Ester e dizer: ” mas Ester jejuou por uma causa, por causa do seu povo, e Deus lhe deu vitória “, sim isto aconteceu, mas o alvo de Ester era que ela estivesse cheia de graça, quando se apresentasse diante do rei, ela não deu ordem para pedirem isto ou aquilo, nem mesmo ela se pôs a pedir livramento ou outra coisa qualquer, mas o que ela sabia era que tinha de ser achada em graça diante dos olhos do rei quando este a visse.

Não existe outra forma de termos vitòria diante das lutas se o Espírito de Deus não estiver se movendo em nós.

Vejamos o verso 6: “Não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade….”

Este verso descreve o jejum que Deus quer de uma forma mais profunda, Deus nos mostra aqui o sentido espiritual do jejum. o que de verdade Deus espera quando subtemos nossa carne ao jejum. Espiritualmente falando, Deus quer ver o moer de nossa carne suportando as contrariedades que nossa alma não quer ver ou sentir.

Soltar as ligaduras da impiedade… Isto quer dizer: romper com as coisas que nos ligam a uma vida ímpia.

Mas o que é impiedade?

Para entendermos isto, precisamos conhecer o que significa a palavra PIO.

PIO = Aquele que possui um viver santo.

( continua )

O machado emprestado


II Reis 6 : 1-7

 

 

 

 

O seu machado é emprestado?

  

machado flutuando

 

  

Mas de que machado estou falando? Vamos analizar na palavra que machado é este.

 

Os filhos dos profetas habitavam em um lugar onde estavam de contínuo diante de Eliseu, e isto era para eles sufocante, pois sempre estavam a sombra de Eliseu, o fato de desejarem ter um lugar somente para sí, onde pudessem ter oportunidade de se expressarem, mostrava uma insatisfação na habitação em comum que tinham com Eliseu.

 

A fim de edificarem sua casa, desceram até o  rio Jordão, fazendo questão da companhia de Eliseu para que não se caracteriza-se uma rebelião, pelo fato de estarem se apartando da habitação de Eliseu.

 

Ali chegando, tomaram os machados e começaram a cortar as toras, e de repente o ferro do machado se desprendeu do cabo e foi parar dentro do rio( vs 5 ). O desespero foi grande pois o machado não pertencia a quem o impunhava. Ali naquela hora eles perceberam que precisavam de Eliseu. E aprenderam que o machado tem que ser pessoal.

 

O machado representa a palavra, em Mateus 3:10 diz ” e também agora, o machado está posto a raiz das árvores; toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo.”

Neste trecho de Mateus , bem como no trecho de II Reis 6 , o machado é o mesmo, ou seja, Cristo é o machado, nele está o poder de cortar, em João 15 há também a passagem do agricultor que também tinha a função de podar ou cortar fora os ramos que não produzissem bons frutos. Então podemos dizer que o machado é também a palavra.

 

Naqueles dias o machado era uma ferramenta de um certo valor, não era qualquer pessoa que dispunha de tal ferramenta, portanto era algo difícil de se obter, eis porque o machado era emprestado.

 


Hoje muitas pessoas querem edificar, construir, realizar grandes projetos e sonhos, mas sem irem a Cristo. Desejam que outros o façam por elas, porém, não querem fazer coisas em que sejam tomadas em desobediência, ou em pecado, diante de Deus, para tanto, tomam a palavra , ou seja, o machado  emprestado.

 

Tomar emprestado a palavra é não ter a propriedade da palavra, é não ter o direito, ou ainda, a intimidade com Cristo. Outra passagem que vemos algo parecido, está em Atos 19 : 13-16 , onde os filhos de Ceva tentavam ganhar notoriedade expulsando espíritos demoníacos usando o nome de Cristo a quem Paulo pregava. Normalmente vemos o fim de histórias como as dos filhos de Ceva, terminarem como terminou a destes sete rapazes que queriam se apropriar de algo que não tinham direito nem sorte. A palavra é algo que precisa de busca, de intimidade, de fé, de vivência ou experiência, a fim de tê-la como parte de nós. Diferente do que alguns pensam que pagando um preço em dinheiro como o fez Simão, o encantador, em Atos 8 : 18, não é este o preço que se paga para para ter Cristo manifesto em nossas vidas. Mas sim um preço de abnegação do nosso viver em favor do viver de Cristo.

 

Só assim é que pode-se experimentar a Cristo de uma forma genuína, autêntica e verdadeiramente eficaz, sem os receios de perder aquilo que não é meu.

 

Por que ao lançar a madeira sobre o rio o machado flutuou ? O que tinha de tão especial aquele pedaço de madeira ? O que significa este ato de Eliseu ?

 

Quando Eliseu lança a madeira sobre o local onde o ferro do machado afundou, ele na verdade está lançando ali o “tipo” de Cristo crucificado. O pedaço de madeira lançado por Eliseu representa a Cristo; isto se dá da seguinte forma: O que Eliseu na verdade fez foi representar o sacrificio de Cristo, Eliseu ofereceu o sacrificio de Cristo na cruz ali naquele lugar onde se havia perdido o bem precioso para aquele homem. Ele ofertou a Cristo em lugar do bem perdido, tal como o fez Deus oferecendo a Cristo em nosso lugar ali na Cruz. O sacrifício de Cristo nos fez emergir das trevas onde nos encontravamos perdidos.

Encontramos no Velho Testamento muitos anúncios do que Cristo faria por nós, basta lermos trechos como este, com os olhos querendo ver Cristo. Peça ao Senhor que Ele lhe dê olhos para ver o Senhor Jesus em todos os caminhos. Garanto a você que de maneira nenhuma seu “machado” será emprestado, mas pelo contrário, será seu com propriedade.

Se aposse deste rico e valioso instrumento que é a palavra de Deus o quanto antes. Ele está a sua disposição.

Será que você tem edificado a Igreja ?


Edificar a igreja não é bem o motivo pelo qual as pessoas normalmente se voltam para Cristo. O que mais vemos, e podemos também verificar é como foi nossa própria vinda para Jesus, o que nos motivou a vir para a Igreja? Alguém poderá dizer: ” Eu nunca vim para a igreja, eu já nasci na igreja ” , mas ainda assim eu posso lhe preguntar : ” O que tem te mantido na igreja ? Alguns dirão: ” os amigos e o meu cargo na igreja”, outros dirão: ” não tenho nada para fazer domingo de noite em casa…”, outros ainda dirão : “tenho medo de ir para o inferno”. e outros dirão: ” porque amo a Cristo”. Seja qual for o motivo,  é necessário meditar se conheço a realidade de  porque participar da igreja de Cristo.

 

Há ainda aqueles, que vieram para  Jesus ao longo de suas vidas, e vieram por motivos dos mais variados: separação, infermidades, falência dos negócios ou  falência pessoal, desemprego, problemas existênciais, enfim, seja qual for também a razão, tanto o que já nasceu na igreja quanto o que se achegou depois, precisam meditar se estão edificando a igreja.

 

Em Mateus 16 : 18 diz:” Pois eu também te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.”

 

Cristo disse a Pedro que edificaria sua Igreja. E este edificar foi feito em Pedro. Pedro era a pedra em que Cristo edificaria sua Igreja. Assim hoje somos muitos “Pedros” em que a Igreja de Cristo precisa ser edifcada. É através da Igreja que a comunhão com Cristo é restaurada.

 

A Igreja de Cristo não é um mero amontoado de pessoas em dificuldades que estão lá em troca da restauração dos seus interesses.

 

A primeira retauração que se deve almejar, é a restauração da comunhão entre Deus e o homem, e isto só ocorrerá quando em cada um for edificado a Igreja de Cristo.

 

E edificá-la requer um processo de substituição  do velho homem (os desejos de minha alma),  pelo novo homem que é Cristo.

 

Quando este processo de substituição tem início em minha vida, o poder de Cristo começa a ser liberado em mim, pois este processo de substituição consiste em cinco atitudes:

 

1ª) Buscar ao Senhor através de orar-ler e meditar em sua palavra.

 

2ª) Ir ao Senhor em oração e confessar  sua imperfeição diante de Deus.

 

3ª) Uma atitude de fé, mostrando ao Senhor, disposição em negar os interesses da vida da alma ( estes interesses são aqueles que nos afastam da comunhão com Cristo).

 

4ª) Arrependimento e e renovação da mente.

 

5ª) Estabelecer o domínio de Cristo em sua vida, através do permitir Cristo se expressar em você.

 

Uma vez que estas etapas estiverem se dando em minha vida, irei perceber que outro encargo me será dado: o encargo de edificar a Igreja.

 

Posso então dizer que: O poder de Cristo é liberado em mim na mesma intensidade que estou empenhado na edificação da Igreja.

 

Para a edificação da Igreja, o primeiro encargo em exige humildade. Humildade é uma  coisa que só existe em nossa vida quando o ego é destronado, e aí já está havendo uma substituição de governo em minha vida. O governo do Espírito toma o lugar do governo da alma. É válido lembrar que se você der brechas, um golpede estadopode ocorrer, e com isto ,  o governo da alma pode retornar ao comando. Não permita isto.

 

Ser humilde é importante, mas não é tudo, você precisa de uma visão.

Provérbios 29:18 diz: “Não havendo profecia o povo se c0rrompe; mas o que guarda a lei, esse é feliz. 

Além da humildade precisamos que a visão genuina (submissão) atue em nossas vidas.

A visão do Senhor é restaurar o relacionamento que tínhamos com Ele antes da queda.

 

Podemos então concluir que para edificarmos a Igreja, precisamos ser transformados em nosso pensar, em nosso agir, em nosso dispor, pois não é o fato de dizer que pertenço a esta Igreja ou a aquela que me faz um reparador de brechas ( Is 58:12 ), um edificador da Igreja. Mas sim o quanto eu me disponho para expressar Cristo.

 

O real motivo de cada um de nós em estar na Igreja, tem que ser o de buscar o seu reino e a sua justiça em primeiro lugar, e não o resolver de nossos problemas. Pois a edificação da Igreja é muito maior que soluções para circunstâncias, é sim um restaurar dos interesses de Deus.