Leviatã, um inimigo mais próximo do que imaginamos (parte II)


 

leviata3

 

Como vimos na mensagem que deu abertura a esta série sobre o Leviatã,  no verso 1, Deus  nos mostra como somos presunçosos ao imaginarmos que temos alguma chance de vencer o leviatã com nossa própria força.

 

O verso 2 de igual modo nos dá uma continuidade da mesma idéia quando no diz: ” Podes pôr uma corda no seu nariz ou com um espinho furarás a sua queixada ? ”  . Reparem que a idéia citada por Deus de o homem pôr uma corda no nariz do leviatã, noslembra muito o domínio que o homem exerce sobre os bois, pois nestes o homem coloca aneis nas narinas e por cordas os puxa e os dirige para onde bem entender. Mas sobre o  leviatã, o homem não consegue exercer o mesmo domínio.

A continuação do verso 2 torna-se mais clara no início do verso 3.   O verso 2 termina dizendo: ” ou com um espinho furarás  a sua queixada ? ” ,  seria possível ao homem submetê-lo através de força ?  O veso 3 nos diz : ” Porventura multiplicará  as suas suplicações para contigo? ou brandamente te falará ? ” . Fica muito claro que não há intimidação nem recuo do leviatã quando ele começa a agir na vida de um homem. Ele não se intimida pela força, nem muda seu falar, não é humilde, nem educado, sua força é desproporcional ao adversário.

 

Reparem no que diz o verso 4 : ” Fará ele concertos contigo, ou o tomarás tu por escravo para sempre ?  A palavra de Deus está a nos revelar mais um pouco do caráter deste leviatã, ele não aceita diálogos nem faz concessões ao homem, mas infelizmente o homem não se convence que não possui o domínio sobre este inimigo, vejam o que diz o verso 5:

 

” Brincarás com ele, como se fora um passarinho ou o prenderás para tuas meninas ? “

Aos passarinhos propriamente ditos, alimentamos ou damos de beber, e também para nosso prazer os temos para simplesmente contemplá-los, no verso 5 Deus nos leva a meditar se, não ocorre lá no nosso íntimo uma satisfação de termos esse leviatã em nós, pois para nosso proveito ele nos é útil algumas vezes, pois com poucas palavras matamos alguns “inimigos”  da nossa carne, esses inimigos na verdade eram nossos irmãos em Cristo. As vezes alimetamos o leviatã dentro de nós para  o liberarmos em momentos convenientes, pois já vi muitos dizerem : ” eu sou muito bom, mas não me tirem do sério, porque comigo ninguém se cria….” .

 

Parece engraçado, mas é mais sério do que se imagina, nos enganamos a nós mesmos quando insistimos em conviver  amistosamente com este espírito destruídor de vidas, porque não só destrói o próximo quanto destrói a nós mesmos. Há ainda quem o admire deixando ” as meninas ” o contemplarem, estas “meninas” são nossos olhos, as meninas de nossos olhos, nós somos aquilo que contemplamos, se olhamos para o pecado, nos tornamos pecadores, se olhamos para a Vida que é Cristo, tornamo-nos viificados por Cristo Jesus.

 

Para concluirmos  a segunda parte desta série, quero compartilhar o verso 6:

” Os teus companheiros farão dele um banquete, ou o repartirão entre os negociantes ? “

 

Quem são os teus companheiros ?  que banquete é este ?  e quem são os negociantes ?

Para responder a estas perguntas não fique pensando com quem você anda, porque não é sobre estes que a Palavra de Deus a está a questionar, mas sim, sobre os nossos companheiros internos. Mas quem são estes ?  Estes são aqueles companheiros que estão conosco o tempo inteiro, independente de hora ou lugar, ou seja, nossa vontade, nossa mente, e nossas emoções.

 

São estes que nos acompanham em todos os lugares, em todas as horas, e sobre  estes Deus nos pergunta: ” Os teus companheiros farão dele um banquete ? “, ou seja, é de leviatã que nossa alma quer fazer um banquete ? é dele que nossa alma quer se deliciar ? pois Mente , vontade e emoções nada mais são que nossa alma.

 

Banquete é como sabemos uma rica e diversificada mesa repleta de saborosos alimentos, onde nos alegramos não só com nosso paladar mas com nossos olhos. Assim é para a nossa alma, se ela não estiver submissa a Cristo, um grande e farto motivo de alimento, pois senão tivermos consciência de quem é Leviatã, seremos enganados facilmente por ele, e nos alimentaremos fartamente de Satanás, e não de Cristo.

 

Por fim, os negociantes: estes sim, são os demônios enviados por Satanás a fim de barganhar conosco, são negociantes que enganosamente nos oferecem coisas das quais em tempo breve nosarrependeremos e verificaremos que fomos enganados, pois os negócios de Satanás são sujos e visam a destruição do  homem.

 

Nesta oportunidade o Senhor Jesus nos permitiu compartilhar até o verso 6, em breve continuaremos a nos aprofundar mais nos versos que ainda restam a fim de que nada na Palavra de Deus nos seja oculto.

Quero dizer-lhes que estou buscando e orando para que o Senhor Jesus nos dê a realidade de sua palavra, e que você que lê estas mensagens, possa receber e testificar de Cristo, a verdade desta palavra.

 

Continua… aguardem a parte III.

Anúncios

Leviatã, um inimigo mais próximo do que imaginamos.


leviata3

 

 

Muitas são as vezes que já lemos o Livro de Jó no capítulo  41 a respeito das indagações que Deus fizera a Jó com relação ao monstro denominado Leviatã, porém, em muitas, senão todas as vezes, somos tomados pela incompreensão da  nossa mente. Diante de tão rica e complexa poesia, ficamos sem saber do que a Bíblia está a falar, e também nem nos arriscamos a questionar, pois na maioria das vezes, quando resolvemos pesquisar ou indagar alguém acerca deste relato bíblico, ouvimos respostas vagas ou na maioria das vezes, respostas pobres que banalizam a Palavra de Deus.

Por isto quero convidá-los neste artigo, a meditar nesta tão rica e reveladora passagem bíblica. Importante  ressaltar: Não esperem encontrar aqui fatos científicos, arqueológicos, mitológicos ou coisas do tipo. O que desejo compartilhar é o texto bíblico no sentido que importa, ou seja, o espiritual.

Quero antes de começar, incentivá-los a terem junto a sí suas Bíblias, pois não quero que aceitem o que digo simplesmente porque o digo, mas que confiram na Palavra da Deus se há testificação do Espírito de Deus naquilo que lerem. Este artigo pode ser longo, dividido em várias partes até, mas o que realmente importa é que você exerça uma perseverança em ler até o fim  o que aqui for postado e os próximos posts que darão continuidade a este compartilhar.

Vamos ao texto: Jó 41: 1 ” Podes pescar com o anzol o leviatã ou ligar a sua língua com uma corda? “

Neste verso Deus pergunta a Jó se ele seria capaz de fazer tais coisas. Para entendermos melhor, é necessário que ao ler estes versos você leia as perguntas dirijidas a você mesmo.

O que será que Deus está a dizer com este primeiro verso?

Pescar é o ato de se apropriar do peixe que, ou servirá de alimento próprio, ou servirá de fonte de riqueza se for comercializado.

É necessário também citarmos o significado do anzol:

O anzol nada mais é que um engôdo, uma forma de enganar o peixe, dando-lhe a idéia de que se alimentará, quando na verdade ao tentar fazê-lo ,será capturado, sendo perfurado seu maxilar ou mesmo perfurada a sua língua.

Quero que você entenda …esse leviatã está dentro de cada um de nós.

Toda a descrição que este capítulo faz, por mais horrenda e fantástica que venha a lhe parecer, está na verdade querendo nos revelar que toda esta força descomunal relatada neste capítulo, pode se manifestar em nós, caso queiramos dominar o “leviatã” que há dentro de nós por nossa própria força. Não se prenda em tentar negar que existe dentro de cada um de nós um leviatã, pois se nos sentirmos  prejudicados pela injustiça contra nós ou nossos protegidos, liberamos um leviatã forte e poderoso que nem sabíamos que tínhamos, seja ele verbalizado ou  até mesmo revelado por nossos atos.

Era isto que Deus estava a falar e mostrar para Jó, pois Jó se julgava capaz de vencer  o inimigo de nossas almas com sua própria força, com seu censo de justiça, com sua própria sabedoria, e isto bem sabemos que é impossível, e também  o era para Jó, ainda que ele mesmo não estivesse suficientemente convencido, pois quando julgamos ter de Deus recebido alguma coisa, nos achamos capazes de atingir níveis, limites, e distâncias jamais alcançadas por homem algum.

Quando um homem chega nesse ponto de Jó,  sua altivez rompe as fronteiras da dependência de  Deus. Este capítulo fala exaustivamente ao longo da descrição de força e resistência do Leviatã, sobre como é um homem que se deixa levar pelo orgulho, observe o último verso:

verso 34 ” Ele olha com desprezo tudo que é altivo; é rei sobre todos os orgulhosos”.

Perceba outra coisa: Deus não estava falando com um homem que não conhecia Deus, mas muito pelo contrário, estava a falar com um homem que no início deste livro é dito sobre ele  que não havia homem na terra como Jó, homem  reto e temente a Deus  e que se desviava do mal ( Jó 2: 3 ).

Muitas vezes queremos pregar o evangelho para os ímpios, mas muitas são vezes que as mensagens de  Deus se dirijem a seus filhos, a fim de aperfeiçoá-los, assim como fez com Jó.

Porém como a Bíblia mesmo diz:  Hebreus 12:11 “Na verdade , nenhuma correção parece motivo de gozo, mas de tristeza. Contudo, depois produz um fruto pacífico de justiça nosque pór elatêm sido exercitados.

Como vemos é grande a esplanação deste capítulo, pois um único verso já é o suficiente para percebermos o quão rico é esta passagem.

Para concluirmos sobre o verso 1:  Não pense que é capaz de enganar  com pequenos truques a esse leviatã que existe dentro de nós, nem que, com sua própria força será apto a atar a língua do leviatã, pois a base de nossa própria força o leviatã seguirá usando de sua língua para destruir a tudo e a todos.

Para vencê-lo é necessário estarmos à luz de Palavra de Deus, pois é ela quem revela o encoberto e o oculto ( Mt 10:26 ). E uma vez este leviatã revelado em nós através da Palavra de Deus, de nada lhe valerá toda a sua força, pois já estará dominado pelo Espírito de Deus que estará de maneira sobrepujante manifesto em nós.

Este artigo segue no próximo post…  lembrem-se, nós compartilhamos apenas o verso 1, há ainda outros 33.  Aguarde!