Amor, o princípio para a consagração


Buscando consagração

Buscando consagração

O que é consagração?  Consagração é separar-se do mundo, deixar de fazer o que quero e gosto para fazer o que Deus  gosta e quer. Consagração é realizar um serviço incondicional a Deus, estar ao seu dispor constantemente.

 

Hoje nós veremos a consagração pelo ângulo do princípio, do alicerce, por onde começa essa devoção incondicional.

Nós precisamos ter em nós a revelação do que é o amor de Deus, talvez até mesmo já tenhamos ouvido sobre esse amor, mas nós nunca o tocamos, precisamos saber o quanto ele  é real. palpável e profundo.

Saber  que ele existe não é difícil, a palavra diz que ele existe, mas torná-lo “substância” é diferente, precisamos tocá-lo, sentí-lo, desfrutá-lo para então podermos consagrar-nos.

Consagrar-se não é coisa para um dia, mas para uma vida. Vejamos como a palavra no latim nos traduz esse falto.

 

Sacro –  ( imortalizar, ou seja não tem fim ) Por esse significado vemos que consagração não é coisa para uma manhã ou tarde ou um dia, mas algo para a eternidade. Consagração é SACRRIFÍCIO, é doar-se inteiramente, sem reservas.

1º Crônicas 29 1 a 5

Quais são os teus tesouros particulares que moram no teu íntimo e hoje tu ofertas ao Senhor voluntariamente? No latim, SACRIFÍCIO tem um sentido interessante. Vamos ver.

 

Sacri = Santo

Of – ficium= Dever, ocupação. função, emprego.

Logo SACRIFÍCIO é um dever santo, uma ocupação santa. Algo louvável e não depreciativo ou indesejável  como se costumar conotar.

Agora como tornar real isso tudo na minha vida se sei dessas coisas apenas na mente? Não tenho realidade do amor de Deus.

Uma consagração nessas condições está fadada a não durar, por que é a mesma coisa que construir uma casa sem alicerces, essas casa em breve racha e cai. Não há como suportar uma vida de consagração sem a realidade do amor de Deus, não se suporta a privação, a perseguição,  a humilhação, e etc… Estas coisas colocarão abaixo minha disposição ao Senhor, a menos que o amor de Deus me seja revelado.

 

Deus na verdade já nos revelou essse amor, nós  é que não conseguimos ver e crer nesse amor. Deus nos ama incondicionalmente. Rm 5 : 8 ” Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”.

E Efésios 2 : 5  ” E estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo _ pela graça sois salvos”.

 

Não importa como tenhamos vivido, quem nós fomos, Deus nos amou quando nós éramos ainda desagradáveis a Ele. O amor de Deus não tem fim . Jr 31 : 3 ” De longe se me deixou ver o Senhor, dizendo:” Com amor ETERNO eu te amei; por isso, com benignidade te atraí”.

 

O amor de Deus é intenso: Jo 3 : 16 ” Porque Deus amou o mundo de tal maneira , que deu seu filho unigênito para todo aquele que crer, não pereça, mas tenha a vida eterna”.

Deus nos mostra seu amor: Deut 7 : 8 ” mas porque o Senhor vos amava, e para guardar o juramento que fizera a vosssos pais, o Senhor vos tirou com mão poderosa e vos resgatou da casa da servidão do poder de Faraó, rei do Egito.

1ª João 3
; 1 Vede que GRANDE amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus, e de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão o mundo não nos conhece, por quanto não conhece  a ele mesmo.”

1ª João 4: 9 e 10 ” Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu filho unigênito  ao mundo, para vivermos por meio dele.  Nisto consiste o amor; não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu filho como propiciação  pelos nossos pecados”.

 

A consagração passa pelo viver e compartilhar o que de Deus recebemos.

Agora vamos para a vida.

Nós vimos agora a pouco que Deus nos amou estando nós mortos em nossos delitos. Como vou agora me consagrar ou me dizer em consagração se não tenho o mesmo sentimento pelo meu próximo, como Deus teve para comigo?

Se meu próximo é alguém, que tem o falar caído, alguém  que me aborrece, que me entristece, que me frustra, que me é penoso, e em função disto eu o rechaço…. aí percebo que não consegui entender o que é consagração. Preciso ser ainda aperfeiçoado.

Quando Deus me amou e me transformou em alguém agradável para Ele, foi muito bom, agora que preciso amar e interceder para que meu irmão  chegue na mesma condição de dar fruto, aí a coisa torna-se pesada, logo sentencio-o: “ele é duro de coração, nunca vai se entregar”.

Não…. duro de coração sou eu. Quem não quer se entregar sou eu. O serviço vai ser dobrado, vou ter que orar por mim e pelo meu próximo. lembram da parábola do credor incompassivo? ( Mateus 18: 23 35 ).

Somos assim como ele, recebemos o perdão e não hora de manifestar a mesma graça alcançada, sufoco meu irmão até ele não mais poder suportar. Infelizmente isto muitas vezes acontece, mas isto tem que mudar, alguém que é consagrado não age assim.

Tiago 1 : 22 a 24 nos diz para não esquecermos nossa imagem quando diante do espenho nos afastamos, ou seja, diante de Deus: Santidade; diante dos irmãos: só para que merece santidade. Isso não pode ser assim, o amor de Deus ainda não é dominante no nosso ser. E para ser consagrado é preciso esse amor existir.

Do que estou falando…?

Do amor.

 O que a palavra diz?

1ª João 4 ; 7 ” Amados amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus, e todo aquele que ama, é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor”.

1ª João 4 : 20 “se alguém disser: Amo a Deus e odiar a seu irmã, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”.

É necessário  para nos consagrar amar verdadeiramente. Romanos 12: 9 ” O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fratenal, preferindo-vos em honra e uns aos outros”.

 

Mas você pode dizer: ” Eu não consigo “. Então confesse ao Senhor e leia Mateus 7 : 8 ” Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate abrir-se-lhe-á”.

Mas você pode ainda dizer: ” Mas eu não tenho a revelação do amor de Deus” Peça a Deus e busque em oração.

 

Cristo é a realidade do amor de Deus. Nele  Deus mostrou ao mundo o seu amor por nós me todos os sentido. Se você diz que não conhece o amor de Deus então você não conhece a Cristo ainda com a devida profundidade.

Busque conhecer e viver a Cristo, e você terá o alicerce, o princípio para a consagração.

Anúncios

Jacó, Raquel, Lia, Zilpa e Bila: A formação da Igreja


 

 

Neste artigo desejo compartilhar com os irmãos uma revelação sobre  a  formação da Igreja, como o Senhor já lá no passado,  concebeu a igreja.

 

O que desejo meditar com os irmãos, é como de fato é formada a igreja do Senhor. Vamos até o livro de Genesis 32: 22

                  ” Naquela  mesma noite Jacó se levantou, e tomou suas duas mulheres, suas duas servas, seus onze filhos, e passou o vau¹ de Jaboque²”.

                   1 – Vau = Parte do rio, onde se pode atravessar a pé.

                   2 – Jaboque = um rio (  Jaboque significa: aquele que corre ).

 

Jacó  é o tipo de Cristo. Através dele Deus formou seu povo.

 

Suas duas mulheres: Lia e Raquel, as judias.

                 Lia significa: vaca selvagem

                 Raquel significa: ovelha

 

Suas duas servas: Zilpa e Bila, as gentias.

                       Zilpa siginifica: Gota de mirra.

                       Bila significa: Sensível , modesta.

 

As duas mulheres de Jacó são Lia e Raquel, ambas eram filhas de Labão, irmão de Rebeca. Em Gen 29 :17,  nos fala das características físicas de Lia e Raquel.

 

                Lia tinha olhos fracos ( característica essa que hoje podemos associar ao fato de os judeus não enxergarem em Jesus, o salvador, o messias, o filho de Deus).

 

                Raquel  era formosa de semblante, formosa de porte ( característica de quem contempla a Cristo ).

 

Sabemos que desde o princípio, o projeto de Deus era formar a Igreja, O Senhor ama sua Igreja e a deseja para sí. Para tanto, Deus se vale destas duas mulheres e de suas servas.

 

Jacó nós sabemos, amou a Raquel.

Cristo ama sua Igreja.

Dizer portanto, que Raquel é a Igreja, é meia verdade.

 

Em Gen 29:18 a palavra nos fala que Jacó amava Raquel, neste mesmo capítulo no verso 9, nos dia que Raquel era pastora; além de formosa de porte e de semblante , era pastora.

Tanto Lia como Raquel, as mulheres; como Zilpa e Bila, as servas; formam a origem da Igreja. Delas nasceram os doze  filhos de Jacó, que por sua vez, deram origem ao povo de Israel.

Em Rute 4:11 diz: ” faça o Senhor a esta mulher, que entra natua casa, com a Raquel e como a Lia que Ambas edificaram a Casa de Israel…”

 

            Inclusive neste verso, primeiro é citado Raquel e tão somente Lia. Parece haver uma inversão de importância, mas o que creio é no reconhecimento da devida ordem, isto é , primeiro a amada depois a admitida.

 

Voltando ao texto, vemos que tanto Raquel  quanto Lia edificaram a Casa de Israel. Neste verso não vemos os nomes das duas servas sendo citados, mas o que ocorre é que seus nomes estão inclusos no contexto.

 

Raquel e Lia não tiveram os doze filhos de Jacó sozinhas, precisaram antes da ajuda de suas servas.

 

Jacó ( Cristo) quando chegou a Harã idealizou para sí uma mulher, essa mulher amada ( Gen 29:18) era Raquel. Raquel era o plano, e quem merecia o esforço de Jacó, e por ela propôs-se a trabalhar sete anos. O ideal de Jacó (Cristo) era Raquel (noiva). Antes de receber Raquel, jacó foi enganado por Labão, que tinha o mesmo caráter de Jacó ( enganador), Labão foi a cruz para Jacó ( cristo). Jacó teve de receber primeiro aquela que vinha pelo costume, pela tradição, pela lei daquele lugar. Jacó teve que receber primeiro a Lia ( povo de Deus, os judeus tradicionalistas, os da Lei, os regidos pelos costumes).

 

A palavra não diz que Jacó não amou a Lia, mas diz que ” amava mais a Raquel ( Gen 29;30). Cristo também ama os judeus, mas ama mais a noiva ( Raquel, ou seja a igreja).

 

Quando Jacó receheu a Raquel a quem ele amava mais, Deus começou a dar-lhe filhos. Lia teve quatro filhos, a saber: Rúbem , o primogenito; Simeão, o segundo; Levi o terceiro; e Judá o quarto filho.

 

Após  parir o quarto filho, Lia cessa de dar à luz. Aqui existe uma interrupção na história de Lia. A judia que era menos amada, mas que até então gerava filhos, pára de conceber. Então começa a participação do povo gentio na formação da Casa de Israel.

 

Raquel dá a Jacó sua serva Bila com quem tem dois filhos. A gentia Bila dá a luz ao primeiro filho que se chamou Dã,  e ao segundo filho que se chamou Naftali.

 

Lia percebendo a estratégia de Raquel, se coloca a usar o mesmo recurso, chama a sua serva Zilpa e lha dá a Jacó, para que este com ela tenha filhos. E a gentia Zilpa dá a Jacó dois filhos. O primeiro chamou-se Gade; e o outro chamou-se Aser.

 

Terminada a contribuição das gentias, Raquel ainda não deu à luz . Deus ainda precisaria trabalhar em sua vida um pouco mais. Raquel ainda era muito idólatra, nota-se isto por contra do episódio das mandrágoras ( Gen 30: 14 e 15).  Raquel não confiou no Senhor, antes enganou-se com crendices, e por isso Deus a puniu abrindo mais duas vezes a madre de Lia. Esta gera o seu quinto filho natural e lhe chama de Issacar ( este já é nono filho de Jacó); e depois o seu sexto filho e o décimo filho de Jacó se chama Zebulom.

 

Jacó já tem dez filhos, mas nenhum com Raquel. Deus agora vai se lembrar dela e ouve sua oração e abre a sua madre, Raquel tem um filho e seu nome é José. Apesar de reconhecer que sua façanha é por Deus, ela não dá graças a Deus, ela ainda está muito preocupada consigo mesma, ainda quer recuperar o tempo perdido, talvez pensasse em ter tantos filhos  quanto Lia, por isso não agradece a Deus mas diz: ” que  o Senhor me acrescente outro filho” ( Gen 30: 23 e 24 ).

 

Por conta deste descuido para com o poder, vontade e o plano de Deus, Raquel vai ser punida mais uma vez, ( Gen 35 16 a 19) ao parir seu segundo filho, o décimo segundo filho de Jacó, ela morre no parto e então Jacó o chama de Benjamim.

Lia sozinha teve seis filhos, isto representa 50% dos filhos de Jacó, desta nasceu Judá, de quem saiu Jesus o salvador. Os outros 50% dos filhos de Jacó são formados pelos filhos das gentias ( Bila e ZIlpa) mais os filhos da amada ( Raquel).

As servas Bila e Zilpa tiveram quatro filhos, estas servas não eram judias, elas representam os gentios na formação da casa de Israel.

 

Nesta formação da Casa de Israel, encontramos alguns desvios de caráter tais como as idolatrias vistas no caso das mandrágoras tanto por Lia quanto por Raquel, e também no roubo das imagens da casa de Labão , por parte de Raquel, mas apesar disto, é através destas quatro mulheres que a plenitude da casa de Israel é formada.

 

Nisto se cumpre a palavra de Lc 17:34 ” naquela noite estarão dois numa cama um será tomado e outro deixado” e também LC 17 : 35  ” Duas estarão juntas moendo uma será tomada e a outra deixada”  e Lc 17: 36 ” Dois estarão no campo, um será tomado e o outro deixado”.

 

Vemos que de duas, uma era tomada e outra deixada, ou seja, 50% era tomado e outro 50% era deixado, curioso é ver que os filhos de Jacó tenham também essa formação: 50% deles são os filhos de Lia, ou seja os judeus não crentes, os judeus que se afirmam na Lei, e os outros 50% são filhos de gentias e de outra judia, mas essa judia vem ser aquela que representa os judeus convertidos.

 

Enfim, o que desejo é que possamos nos encontrar nos 50% que serão tomados pelo Senhor no dia de Sua vinda. Seria muito triste sermos deixados porque nos enganamos toda uma vida, julgando-nos os tais, detentores da verdade suprema, achando-nos os únicos salvos, apontando falhas na vida de outros, julgando vidas, quando não tivemos o cuidado de a tudo o que recebemos do Senhor,  aplicarmos o amor,  pois em 1º Cor 13: 1  a palavra nos diz:”  Ainda qu eu falasse a língua dos homens e dos anjos, se não tiver amor serei como o bronze que soa ou como o sino que retine ² Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei….”

 

Tudo o que fizer, faça-o para o Senhor, procurando agradá-lo em todo o tempo, para que você possa ser achado naquele dia, entre os que estarão nos céus com o Senhor. Que Deus os ilumine e os abençõe grandemente, hoje e sempre. Amém.